entidade promotora:

Engenho & Obra
 
  E&O apresenta Documentário “Viver Ao Sul” em Lisboa    

 

 No Sábado passado, 20 de Fevereiro, realizou-se a Sessão Pública de Apresentação do Documentário “Viver Ao Sul”, em Lisboa, no Anfiteatro da Escola Superior de Educação (ESELx), pelas 11:00 horas.
Na Mesa de Honra dirigida por Cristina Loureiro, Presidente da ESELx, estiveram presentes: Sérgio Guimarães, Director da Divisão de Apoio à Sociedade Civil do IPAD, Anabela Rios, Directora do Projecto “AO SUL…”, José António Passos, Realizador do Documentário e Alfredo Soares Ferreira, Presidente da E&O.

Foram proferidas pequenas intervenções dos elementos da Mesa e lidas duas mensagens enviadas pelo Director-Executivo da ADRA, Sérgio Calundungo e pelo Delegado da Direcção E&O em Angola, Guido Campos.

Após as intervenções, foi projecto o Documentário “Viver Ao Sul”, aplaudido no final com entusiasmo, pela assistência, composta por Associadas (os) E&O, representantes do IPAD, de organizações da sociedade civil, jornalistas e público em geral, num total de 45 pessoas.
No final, realizou-se um Painel, orientado por José Mussuailli, José António Passos e Alfredo Soares Ferreira. Diversas intervenções da assistência animaram um debate vivo e muito participado. Aqui se destacam:

  • “o filme está muito bem feito, pois revela as cores e os cheiros de África”, testemunha de quem lá viveu..
  • “um bom documentário que mostra a realidade, mas que deveria ser revisto no que toca a uma referência a um elemento da velha guarda, quando afirma que “ser politico é a pior coisa que existe”, dando uma imagem da política como sinónimo de corrupção, o que pode ser contraproducente”, Diana Andringa
  • * um belo instrumento de Educação para o Desenvolvimento, importante nos trabalhos de apresentação e de utilização do filme para trabalhar a sensibilidade, compreensão dos diversos público alvo e destacar o papel que os diversos  actores podem ter no desenvolvimento”, Sérgio Guimarães
  • * o filme ajuda a desconstruir imagens feitas acerca da realidade de Angola e de África e por isso é um bom instrumento de ED”, Anabela Rios
  • * seria importante, em edições futuras, tratar de mostrar a falta de acessos, não apenas a questão da construção das estradas, mas (por exemplo) o grave obstáculo ao desenvolvimento que são as minas que ainda pululam, escondidas, no território angolano, e outros obstáculos à acessibilidade”, Ana Margarida
  • “… deixar falar mais a gente local, em próximas edições, saber o que sentem, como vivem”, Maria José Brito
  • “…o papel dos missionários em África, mostra-nos uma faceta diferente da imagem de igreja conservadora,  que é mais dominante no Norte; seria importante procurar registos etnográficos, das vivências nativas,  aquém da missionação”, Noémia Simões.
    Como indicação importante deste Painel, ficaram muitas sugestões para complementar o Projecto “AO SUL…”, para além das actividades previstas para o 2º ano (Fase II), tendo ainda o Presidente da E&O afirmado para finalizar, que há já em carteira planos para futuros desenvolvimentos, da ideia na base do Projecto.

No espaço contíguo ao Anfiteatro esteve patente uma Exposição de fotografias, relativa ao percurso da equipe técnica da E&O em Angola, em Setembro de 2009, aquando das filmagens do Documentário, da autoria de João Tocha.

Lisboa, 20 de Fevereiro 2010

« VOLTAR